A nova Rota da Seda na América Latina

A principal iniciativa de política externa que melhor traduz esse momento chama-se “Um Cinturão e Rota” (C&R), um ambicioso projeto que conecta a Ásia, o centro e o leste europeu e o norte da África.

Relações Internacionais
03/05/2019
Evandro Menezes de Carvalho

No ano em que celebra o 70º aniversário de fundação da República Popular da China, o governo chinês consolida uma nova diplomacia, mais ativa e global em seu escopo. A principal iniciativa de política externa que melhor traduz esse momento chama-se “Um Cinturão e Rota” (C&R) – forma abreviada para se referir ao Cinturão Econômico da Rota da Seda e à Rota da Seda Marítima do Século XXI. Um ambicioso projeto que conecta a Ásia, o centro e o leste europeu e o norte da África.

O Cinturão e Rota difere dos mecanismos de integração econômica que predominaram na América Latina nas últimas décadas do Século XX por promover, já de início, a conexão dos países pela infraestrutura com apoio de mecanismos de financiamento, tais como os recém-criados Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) e o Fundo da Rota da Seda. Este não foi o caso, por exemplo, do Mercosul. Fundado em 1991, deu-se ênfase a um arcabouço jurídico-institucionais e às discussões sobre barreiras tarifárias e não-tarifárias. O Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (FOCEM) só surgiu quinze anos depois.

Em janeiro do ano passado, por ocasião da Segunda Reunião Ministerial do Fórum China-América Latina e Caribe (Fórum China-CELAC), realizada no Chile, o presidente chinês Xi Jinping convidou os países latino-americanos a participarem ativamente do Cinturão e Rota. A Declaração Especial de Santiago declarou que a China "considera que os países da América Latina e do Caribe são partes da extensão natural da Rota Marítima da Seda e são participantes indispensáveis na cooperação internacional do Cinturão e Rota”.

É factível o Cinturão e Rota na América Latina? A China tornou-se o primeiro ou o segundo maior parceiro comercial de vários países da região. Desde 2014, o presidente Xi e demais autoridades chinesas tem visitado os países latino-americanos com uma frequência inédita na história da diplomacia chinesa. Na Reunião de Ministros das Relações Exteriores do Fórum China-CELAC, realizada em 2015, o presidente Xi propôs que o comércio entre os dois lados chegue a US$ 500 bilhões nos próximos 10 anos, e que o investimento direto chinês na América Latina alcance US$ 250 bilhões. Em entrevista para O Globo, o embaixador da China, Yang Wanming, afirmou que o investimento chinês no Brasil é o que mais cresce, com um total acumulado de quase US$ 70 bilhões. Assim, se o mapa original do Cinturão e Rota está geograficamente distante da América Latina, os investimentos e o comércio com a China são, todavia, uma realidade muito concreta. Desde este ponto de vista, estamos integrados à nova Rota da Seda.

No discurso que fez na cerimônia de abertura do Fórum Cinturão e Rota, em 2017, o presidente Xi declarou, respeitando a típica discrição chinesa, que o “Cinturão e Rota não está reinventando a roda”. Mas pelo menos está fazendo-a girar. E num mundo onde o multilateralismo está sob ameaça, tal iniciativa é muito mais que bem-vinda.

*As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional da FGV.

Do mesmo autor

Autor(es)

  • Evandro Menezes de Carvalho

    Professor de direito internacional e coordenador do Centro de Estudos Brasil-China da FGV. Consultor do China Desk do Veirano Advogados. Doutor em Direito Internacional pela USP. Mestre em Integração Latino-americana pela UFSM. Bacharel em Direito pela UFPE. Foi professor visitante do Center for BRICS Studies da Fudan University e Senior Scholar da Shanghai University of Finance and Economics. Foi Presidente da Associação Brasileira de Ensino do Direito (ABEDi).

Artigos relacionados

Últimos artigos

Esse site usa cookies

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.