Executivos abordam aceleração de tendências no setor automotivo e de combustíveis diante da Covid-19

Encontro online contará com a participação de Aksel Krieger, presidente da BMW, Marcelo Araújo, presidente da Ipiranga, e Plínio Nastari, ex-presidente do Conselho da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA) e representante da sociedade civil no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) do Ministério de Minas e Energia
Energia
15 Junho 2020
Executivos abordam aceleração de tendências no setor automotivo e de combustíveis diante da Covid-19

A nova dinâmica trazida pela pandemia na demanda de energia para transporte e nos preços internacionais de petróleo e derivados, aliada à crescente preocupação da sociedade com a qualidade do ar e a preservação da saúde, traz a oportunidade de uma discussão que alie os desafios e as oportunidades relacionadas a novas tecnologias relacionadas ao aumento de eficiência energética e redução dos impactos ao meio ambiente. Nesse contexto, a FGV Energia e a Datagro realizam, no dia 15 de junho o webinar “Acelerando tendências: veículos, combustíveis e pandemia no Brasil”. O evento será transmitido ao vivo pelo Youtube da FGV a partir das 18h.

O encontro online contará com a participação de Aksel Krieger, presidente da BMW, Marcelo Araújo, presidente da Ipiranga, e Plínio Nastari, ex-presidente do Conselho da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA) e representante da sociedade civil no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) do Ministério de Minas e Energia. A moderação será feita pelo diretor da FGV Energia, Carlos Quintella.

O evento visa abordar o novo cenário em que se encontra o mercado do petróleo. A nova dinâmica de preços internacionais imposta pela pandemia de Covid-19 e uma recessão econômica parece ser a realidade do mercado agora. Um novo patamar de preços deprimidos em relação ao que vinha sendo observado até o fim de 2019 impõe um novo comportamento aos governos e seus planejamentos energéticos, às empresas de petróleo, ao setor parapetrolífero e à sociedade como um todo. As perspectivas de recuperação dependem de uma vacina, da retomada da atividade industrial chinesa e de mudanças nas configurações estruturais de poder que ainda são incertas.

Os derivados de petróleo têm um novo comportamento também. Números indicam oito milhões de barris por dia de queda de demanda de refinados em relação à 2019 no mundo.

O setor automobilístico, por sua vez se encontra também em uma recessão estrutural, cujo mercado vem sendo desidratado por duas frentes: novos comportamentos dos consumidores em relação à mobilidade, e agora, recessão econômica.

Para mais informações e inscrições acesse o site.