Observatório de Bioeconomia lança relatório de descarbonização na matriz de combustíveis

Objetivo da iniciativa é acompanhar a redução das emissões de gases do efeito estufa no Brasil
Economia
10 Janeiro 2023
Observatório de Bioeconomia lança relatório de descarbonização na matriz de combustíveis

O Observatório de Conhecimento e Inovação em Bioeconomia da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EESP) acaba de lançar o dashboard de descarbonização na matriz de combustíveis leves. O objetivo é acompanhar, trimestralmente, a dinâmica de consumo de combustíveis no Brasil, com atenção especial à análise e compreensão dos efeitos da bioenergia na redução das emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE).

Entre os resultados, as emissões de GEE na matriz de combustíveis leves atingiram 27,30 milhões de toneladas de CO2eq (equivalência em dióxido de carbono) no terceiro trimestre de 2022, apresentando crescimento de 6,52% na comparação com a quantidade emitida em igual período de 2021 (25,63 milhões de toneladas de carbono equivalente). Esse crescimento se deu por conta do aumento do consumo de combustíveis leves no Brasil e a maior participação da gasolina na matriz.

O estudo revela ainda que no terceiro trimestre desse ano foram consumidos 416,06 bilhões de MJ (megajoules) pelos veículos leves, representando aumento de 5,74% na comparação com o consumo energético registrado no mesmo período de 2021. Ou seja, apesar do ganho de eficiência energético-ambiental na produção de biocombustíveis, o aumento do consumo e a retração na participação dos renováveis na matriz nacional promoveram crescimento das emissões de GEE no  terceiro trimestre de 2022.

Em contrapartida, as emissões de GEE evitadas pela presença de bioenergia melhoraram em 3,46% no terceiro trimestre desse ano. Com isso, 9,06 milhões de toneladas de CO2eq deixaram de ser lançadas na atmosfera. Para se ter o mesmo resultado em termos de emissões de GEE evitadas, seria necessário o plantio de 22,10 mil hectares de árvores nativas.

“O Brasil possui uma condição diferenciada no setor de transportes devido à participação relevante da bioenergia e a oferta de biocombustíveis com pegada de carbono auditada. A análise desenvolvida no estudo permitirá um acompanhamento periódico das emissões de GEE nesse setor, identificando os ganhos de eficiência ambiental na produção de biocombustíveis, os impactos de políticas públicas e a adoção de estratégias empresariais diferenciadas nesse mercado” explicam os autores do  relatório de descarbonização na matriz de combustíveis e pesquisadores do Observatório de Conhecimento e Inovação em Bioeconomia da FGV, Luciano Rodrigues, Fernanda Valente e Sabrina Matos.

Dashboard descarbonização na matriz energética brasileira - FGV

Certificação e intensidade de carbono dos biocombustíveis

A intensidade média de carbono (IC) do etanol anidro comercializado no terceiro trimestre de 2022 atingiu 26,48 gCO2eq/MJ, registrando queda de 1,19% na comparação com a IC verificada no mesmo período do ano anterior. No caso do etanol hidratado, o índice contabilizado, na mesma base comparativa, alcançou 28,54 gCO2eq/MJ, com redução de -0,94% na comparação com o valor registrado em igual período do ano passado.

Essa redução na IC dos biocombustíveis está relacionada ao ganho de eficiência energético ambiental observado pelas empresas que recertificaram a sua produção. Até o final do trimestre, cerca de 65 unidades produtoras haviam realizado nova certificação da produção. Deste total, 46 empresas apresentaram ganho de eficiência energético-ambiental e, consequentemente, redução na intensidade de carbono do biocombustível produzido.

Vale ressaltar que segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), 284 unidades produtoras de etanol estavam certificadas até o final do terceiro trimestre de 2022. Essas empresas são responsáveis por cerca de 90% da produção nacional do biocombustível.

Participação energética dos combustíveis no Brasil

O relatório mostra ainda que apesar do ganho de eficiência energético-ambiental dos biocombustíveis, a intensidade média da matriz de combustíveis leves (emissões de GEE da gasolina e etanol) apresentou piora de 0,74% no terceiro trimestre de 2022. Com efeito, a IC da matriz de combustíveis leves alcançou 65,62 gCO2eq/MJ no trimestre deste ano, ante 65,14 gCO2eq/MJ no mesmo período do ano passado.

Essa condição se deve à queda na participação energética do etanol na matriz nacional. Em 2022, o market share dos biocombustíveis no total de energia consumida pelos veículos leves totalizou 36,43% no terceiro trimestre, apresentando ligeira retração na comparação com o índice apurado no último ano (37,45%).

Participação Energética dos Combustíveis na Matriz do Ciclo Otto - FGV

O gráfico apresenta a participação energética dos combustíveis leves na matriz brasileira considerando dados trimestrais de 2020 a 2022.

O aumento da participação da gasolina na matriz no terceiro trimestre de 2022 foi ocasionado pela perda de competitividade do biocombustível e pela menor oferta de cana-de-açúcar para moagem até o período avaliado. Já a piora na competitividade do etanol ocorreu pela redução nos preços da gasolina e, principalmente, pela alterações tributárias observadas no início do terceiro trimestre, as quais reduziram parcialmente a diferenciação tributária entre os combustíveis fósseis e renováveis mencionados.

Intensidade média de carbono (gCO2eq/MJ) nas unidades federativas

Entre os estados brasileiros, a variação da intensidade média de carbono dos combustíveis leves é bastante elevada. Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e São Paulo são os Estados com maior presença da bioenergia e menor quantidade de emissões de GEE originadas da queima de um megajoule de energia pelos veículos leves.

Mapa Intensidade média de carbono (gCO2eq/MJ) nas unidades federativas - FGV

O estudo completo está disponível no site.

Esse site usa cookies

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.